Uma análise da Benção “Urbi et Orbi” com a crise causada pela Covid-19

Mariana Aparecida Adalberto de Carvalho

 

Papa Francisco, na benção "Urbi et Orbi"[1] faz uma analogia da nossa sociedade à barca dos discípulos de Jesus, mostrando como somos frágeis, desorientados e, ao mesmo tempo, importantes e necessários.

A grande questão abordada pelo Papa refere-se ao medo e à falta de fé da sociedade, bem como questionava Jesus na barca aos seus discípulos.

Essa crise veio para nos recordar que Jesus nos alimenta e sustenta nossa vida, pois Ele está conosco, sofre conosco e somente Ele nos salva. Precisamos eleger o que realmente é necessário em nossas vidas, sendo menos egoístas.

O mundo, passando por essa crise, nos remete aos discípulos passando pela tempestade e, que somente com fé e confiança em Jesus, poderemos passar por essa tormenta.

Precisamos ser mais solidários, fraternos com os pobres e necessitados, pois somos um só. As pessoas que têm fé em Deus são caridosas e solidárias com o próximo.

Não precisamos ter medo, pois com o Senhor não há desastre, não há desespero.

O mundo será outro após essa pandemia, teremos um novo início e apenas conseguiremos melhorar essa situação unidos a Jesus, que é o Salvador.

 

[1] Urbi et Orbi significa "à cidade de Roma e ao mundo" em português, e é um termo oriundo do latim. Urbi et Orbi é considerada a bênção de Páscoa e Natal, onde o Papa se dirige ao público, na Praça de São Pedro, na Itália.

Últimas Publicações

Developed in conjunction with Ext-Joom.com

II Semana da Pesquisa e Extensão